experienciadequasemorte

E.Q.M. AMOR ALÉM DA VIDA.

Existe vida após a morte do corpo físico? Talvez este seja o maior dilema que enfrentamos durante a nossa caminhada como seres humanos,  não podemos afirmar com certeza absoluta e nem temos provas materiais de que a consciência continue a existir após a morte de nosso corpo físico. Esta pergunta atormenta o homem por muitos séculos e apenas alguns iluminados (Ex: Cristo e Buda ) tiveram a coragem de propor respostas para este questionamento e todas são sustentadas na fé  e em ensinamentos que demonstram que o ser humano tem uma existência cujo o único sentido é a propagação do amor. Estes seres iluminados transmitiram lições e conhecimentos para a raça humana de forma muito simples  e sustentavam  que DEUS É AMOR e portanto, se somos a imagem e semelhança de DEUS, nosso único objetivo nesta existência, seria exercitar, difundir e perpetuar o amor.

O ser humano é oportunista e  tem uma habilidade inconteste de complicar mensagens simples, pois, diante de um caminho complicado e difícil de se chegar  é possível lucrar vendendo elaborados mapas indicando o caminho a ser seguido. Assim são construídos a maioria dos dogmas da fé, dificultando o caminho, elaborando complexos sistemas de crenças leis e castigos para aprisionar os fiéis e no fim obter obediência e lucro.

Para a ciência somos apenas corpo físico e vivemos uma realidade dualista,  estamos aqui e existimos e temos que  extrair sempre o melhor desta vida, como se esta existência fosse o único objetivo, assim,  tentamos sobreviver a qualquer custo, tentando conquistar  os prazeres e a realização de uma felicidade fugaz que a sociedade nos oferece.  Desta forma teremos alguns poucos afortunados que poderão gozar os prazeres desta vida com conquistas em vários campos (financeiro, patrimonial, amoroso)  e os menos afortunados que terão de travar muitas batalhas para obter algumas conquistas.

Nossa  parte emocional não se contenta com esta dura realidade e se agarra em crenças e esperanças de que esta experiência como seres humanos é passageira e que após a morte de nosso corpo físico estaríamos de volta a verdadeira realidade. Pode ser que esta crença seja apenas um mecanismo de defesa frente a realidade cruel desta vida , como diria Shakespeare  “Os miseráveis não têm outro remédio a não ser a esperança”. Mas, por outro lado, o universo nos surpreende a todo momento com manifestações incríveis de organização e equilíbrio,  e  realmente fica difícil de acreditar que apenas o acaso e a coincidência tenham criado um mundo tão complexo, exato e belo.

Se observarmos com atenção, podemos perceber que a natureza nos aponta que existe uma consciência maior por traz de toda esta trama, mas mesmo assim não existe garantia que iremos nos  juntar a esta consciência maior após a morte de nosso corpo físico. Portanto diante destas contradições da existência humana, entre uma ciência que insiste em afirmar que somos apenas matéria e uma crença que insiste em existir sendo cultivada com fé e esperança, estamos nós, tentando nos manter sãos e salvos em meio a um mundo insano, injusto e de muitas desproporcionalidades.

Em meio a estas incertezas existenciais, e um cabo de guerra travado entre a ciência e a Fé deparamos com algumas experiências vivenciadas por poucos seres humanos, mas que trazem a tona um novo modo de enxergar ambos os lados. As EQM “Experiências de Quase Morte”,  colocam em cheque tanto a ciência, que em principio as nega como realidade, dando lhes varias explicações meramente físicas, quanto os dogmas religiosos, pois, tais experiências  não se apresentam  dentro dos padrões normais ensinados por elas.

Dos relatos iniciais publicados pelo Dr. Raymond A. Mood Jr. em 1975 até os dias atuais, se vão apenas pouco mais de 40 anos, o que não é nada em termos de conhecimento e pesquisa. O tempo é aliado poderoso e sempre trabalha a favor da verdade e as únicas conclusões possíveis é que somente quem passou pela experiência pode perceber a magnitude e o esplendor de finalmente poder ter a certeza de que nossa existência não é apenas física, pois neste âmbito não seria possível explicá-la.

Estes relatos apesar de causar grande desconforto na comunidade cientifica e no clero, trazem à tona novamente a mensagem simples de JESUS de que o amor é o que de mais importante pode existir na vida e nossa existência só encontra sustentação nas manifestações de amor que somos capazes de expressar  e ele é o único e maior motivo de estarmos vivenciando esta nossa experiência  como seres humanos.

Na realidade este mundo é um grande laboratório de experimentos para que possamos explorar , podemos sim ser felizes, seguir em frente em uma vida digna e edificante, mas acima de tudo estamos aqui para adquirir conhecimento e aprender a amar.
Abaixo o depoimento de uma  pessoa que passou por uma EQM e registrou posteriormente  a experiência para que possamos enriquecer nossos conhecimentos,

um abraço

Rodney Bernardes Vilanova.

 

DEPOIMENTO DO DR. GEORGE RODONAIA (PHD)

Dr. George Rodonaia é um psicólogo russo, radicado nos EUA, formado em física e química, anatomia e outras fisiologias.

Atualmente, residente nos EUA é psicólogo e pastor protestante.

Seu depoimento é impressionante, pois contradiz uma série de crenças médicas em vigor ainda hoje.

“A Morte Não Existe” – (Dr. George Rodonaia, PHD em Psicologia)

“Eu era um dissidente da União Soviética…. e havia sido convidado pelos EUA em 1975….. em 1975 foi quando recebi este convite. Em 1976, recebi o visto de exílio, e estava partindo para Nova York neste dia.

Estava indo pegar meu passaporte…. e já estava pronto para viajar. Minha família já estava no aeroporto me esperando. Então, andando na calçada fui atropelado por um carro. Foi tudo simulado pela KGB. Eles queriam me matar…. e não me deixar partir. Então fui levado a um hospital. Os médicos fizeram tudo que podiam para me ajudar, mas ….. fui considerado morto.

Era a liberdade absoluta de seu corpo e mente. Isto me surpreendeu. E era muito interessante também. Estava feliz nessa experiência, porque podia ver os pensamentos deles. Podia ver tudo que estava acontecendo. Podia sentir cheiros, podia ouvir ….. e podia ver os pensamentos deles.

Isso foi o que mais me deixou feliz e orgulhoso. Não sei se é uma boa palavra, mas me orgulhava desse poder.

Não estava me incomodando ….. via o meu corpo e o odiava …. eu não queria voltar para ele. Era impressionante que …. eu também não deixava o corpo. Eu estava por toda parte…. onde pensavam em mim. Mas estava com meu corpo. Quer dizer que eu não estava saindo de um lugar para outro. Estava em todo lugar ao mesmo tempo.

Podia estar em Nova York, podia estar em Long View, Texas. Podia estar em Moscou, podia estar em Felia, Geórgia…. em qualquer lugar. Não havia nem tempo nem distância para mim…

Podia me comunicar com as crianças; crianças muito pequenas que não falavam nem andavam ….. e que estavam vindo daquele lugar para onde eu estava indo. E a comunicação com elas era impressionante, uma comunicação espiritual. Não falávamos com palavras. Falávamos através de uma comunicação mental. Ela havia quebrado o quadril ….. e ninguém entendia por que ela chorava tão alto.

Os médicos e os pais dela estavam muito preocupados. Eu disse: Não chore. Ninguém vai mesmo entender o porque. E ela parou de chorar e sorriu. Foi uma experiência incrível, pois as pessoas olhavam e diziam: “Ela tem isso… Aconteceu isso com ela”. Mas, não conseguia comunicar-me com eles.
Depois do terceiro dia, quando eu estava de novo em meu corpo, e depois de três dias, quando já podia falar, disse a eles: “sua filha está chorando porque quebrou a bacia.

Este é o diagnóstico que estão procurando”. Descobriram que era verdade. Ficaram chocados e surpresos.

“Sentia aquela dor …. e estava escuro. Não enxergava nada. Não conseguia mexer as mãos, não conseguia mexer o corpo…

Compreendi que não tinha nada, mas eu existia. Isso me assustou. O medo do desconhecido.

Por que todos têm medo da escuridão? Porque não sabem o que há na escuridão. O medo da escuridão se deve ao desconhecido. O não compreensível é o que faz você ter medo. Tinha medo da escuridão, tinha medo de estar lá. Mas o que causava mais medo era estar em algum lugar sem meu corpo.

Mas eu existia. Eu era um cientista, trabalhava com psicologia e línguas. Aprendi física, aprendi química e muitas outras… fisiologia…. anatomia…. e tudo se baseava no materialismo dialético. Materialismo histórico.

Na minha cabeça, era impossível estar em um lugar sem o corpo. Onde está meu componente principal, minha vida, meu corpo? Estava morrendo de medo. Mas eu estava morto. Essa era a sensação difícil de compreender…. que você existe…. mas você não existe. Se você pensa…. você existe. “Se penso, pensei, existo”.

Mas se existo e penso…. por que não posso pensar positivamente sobre o que acontece à minha volta?

E comecei a pensar sobre… a luz. Via lua fora da escuridão. E isso me chocou.

Mas o primeiro sentimento foi o de ir até essa luz…. o primeiro pensamento que me veio foi…. ir para essa luz. E fui em sua direção.

Uma coisa muito maravilhosa que aconteceu comigo….  foi que vi meus pais, meus pais verdadeiros….. e vi foram assassinados.

Foram assassinados pela KGB em Moscou…..  e isso me deixou feliz. Parece ridículo, mas fiquei feliz, porque sempre pensara que tinha sido abandonado por eles.

Estamos vivos devido ao amor. Foi isso o que me trouxe de volta. Francamente, eu não queria voltar. Mas, o amor me trouxe de volta, o amor dos que me queriam.

A escuridão, onde estava antes ….  (esse é o inferno total). É o mesmo que disseram a você…. separar-se da luz…. do amor… de Deus…. do infinito.

Claro que isso é o inferno. É por isso que o suicídio foi condenado por todas as religiões.  Dizem: “Você vai para o inferno”. Significa “para lugar nenhum”. “Lugar nenhum”, não existe. Significa ir para algum lugar que é o oposto da bondade.

Eu estava no necrotério no fim de semana, e na 2ª feira me tiraram do necrotério e me lavaram. E começaram a autópsia. Eram 11:00 hs  da manhã quando abriram meu abdome. Tiraram um hematoma…. hematoma.

Começaram  a autópsia tipo “T” …. e uma imensa força me pegou…. acho que pelo pescoço….  não sei explicar o que era…. e empurrou-me para baixo.

E eu vi esse movimento para baixo…. e então senti minha cabeça doer, e abri os olhos! Foi assim que voltei ao meu corpo.
Essa é a principal mensagem que eu trouxe: “QUE O AMOR NÃO PODE SER MUDADO, ISTO É, ELE É ETERNO. E O AMOR ESTÁ SEMPRE UNIDO À VIDA. O AMOR É O QUE MANTÉM VIVO ESTE MUNDO. O AMOR …. A ETERNIDADE. O AMOR É A BASE DA ESPÉCIE HUMANA. ESTAMOS VIVOS DEVIDO AO AMOR.”

Vi a vida como infinita luz …. infinita luz. Como … o ser eterno. Não podemos morrer porque já fomos criados para viver sempre…. A dimensão do espírito é…. vida eterna. A morte não existe. Não tenha medo. A morte é como uma ponte, uma estação…. estação de trem, aonde se chega para passar a uma outra vida”. [ Cf. “Life After Life” (“Vida Após a Morte” em português) 1992, Videolar]

[Texto reproduzido do Blog – Magister Lux – Blog Archive – A Morte Não Existe (EQM) Dr. George Rodonaia (Phd)]

2 comentários em “E.Q.M. AMOR ALÉM DA VIDA.

  1. Estamos na busca de significado para nossas vidas ou a forjar um significado ao ampliarmos nossos questionamentos para a vida após a morte?

    O que nos importa : é o que fazemos nesta vida ou nossa busca incansável pela possibilidade de existência ou não de vida após a morte?

    Não estamos atrás de respostas , mas sim de respaldos para desviar nos das consequências de nossos atos diante da saciedade de nossos desejos voláteis e fugazes.

    Nossa vida deveria se resumir na busca constante de nossa real identidade, que se resume no Amor e na Fé.

    1. Obrigado pela contribuição Euvira Maria Luzi,
      Cada um de nós tem o livre arbítrio para escolher o significado que quer dar a sua existência, este é o nosso verdadeiro teste, ou seja, o que somos capazes de fazer com este valioso presente que nos foi dado ?
      Temos que tentar fazer o nosso melhor.
      obrigado.

Deixe uma resposta