Eva Kor

O PERDÃO DE EVA KOR

Uma mulher judia que sobreviveu aos horrores do holocausto, perdoou um ex-guarda nazista que foi julgado por ser cúmplice da morte de pelo menos 300 mil pessoas. Eva Kor disse que se sentia uma mulher vitoriosa e tem sido capaz de superar as dores e perdoar.

A sra. Eva Kor, 81 anos, estava presente na sala do tribunal onde o julgamento foi realizado contra o ex-guarda nazista Oskar Groening, 93 anos. Num gesto que surpreendeu a muitos e bastante contestado por uma grande maioria, a sra. Eva Kor que havia esperado 70 anos por este momento e estava cara a cara com um ex-nazista que era guarda do campo de concentração onde ela passou por momentos terríveis, e então caminhou em direção dele, estendeu a mão, abraçou-o e perdoou-lhe, informou o post publicado pelo Daily Mail no final de abril/15.

Oskar ficou surpreso no inicio com a atitude de Eva, mas depois sorriu. Ele beijou-a na bochecha e ouviu as palavras de Kor, que se identificou como a mulher, que junto com sua irmã gêmea foram submetidas a experiências médicas no campo de concentração de Auschwitz, nas mãos de Josef Mengele.

Eva declarou: “Eu estava interessada em saber o aconteceria quando alguém que é vítima se encontra ao lado de alguém que é seu agressor.”

O gesto de Eva Kor foi bastante criticado por outras vítimas do holocausto e suas famílias, que a chamaram de traidora, ao que ela respondeu: “Enquanto entendemos que o meu perdão é porque, como vítima eu tenho o direito de ser livre, não podemos ser livres das coisas ruins que foram feita para você, a menos que você possa remover do ombro a carga diária de dor, raiva – e perdoar os nazista, não é porque eles mereçam, mas porque eu mereço.” E acrescentou que ela é uma mulher vitoriosa e hoje tem sido capaz de superar a dor e perdoar.

Quando perguntada porque ela tinha abraçado o nazista, ela disse que o fez porque eu queria agradecer-lhe por ter um mínimo de decência humana para aceitar a responsabilidade por aquilo que fez.

O liberar perdão sara a ferida que doí na sua alma, e você se sente realmente livre daquilo que incomoda profundamente. Mas é claro que a cicatriz fica, mas é melhor conviver com uma cicatriz que não doí mais, do que com uma ferida aberta, que incomoda a todo o momento da vida. O perdoar, seja nesta situação ou em qualquer outra situação, não apaga o que se passou, mas com certeza eu, você ou qualquer um que perdoa vive uma vida melhor e com paz.

Fonte: http://blogs.odiario.com

Esta publicação foi feita em 2015, mas me pareceu oportuno republica-la com intuito de fazer uma reflexão: Talvez o perdão seja o ato mais corajoso que um ser humano possa conceber.

Eva Kor foi colocada frente a frente com um membro do partido nazista que atuou em Auschwitz, local onde ela se sua irmã foram torturadas e mantidas em carcere pelo regime de Hitler. Se naquele momento ela se levantasse fosse até o seu agressor e lhe desse uma bofetada, certamente seria ovacionada pelos presentes em sua maioria judeus que também sofreram com os horrores da guerra, mas surpreendentemente ela se levantou abraçou Oskar Groening e lhe perdoou. Este ato provocou a ira de um grande número de judeus, o que é bem compreensível, tendo em vista o que passaram nas mãos dos nazistas durante a segunda guerra, mas não podemos apenas ler esta noticia sem tentar entender a magnitude e a coragem do ato de EVA KOR.

Certamente Eva Kor não esperava nenhum tipo de absolvição no tribunal de Luneburgo para seu algoz, mas, pelo seu depoimento ela precsava de paz e esta paz ela não alcançaria de outra forma a não ser perdoando. Francamente a nossa esperança é que não seja preciso que nenhum outro ser humano enfrente as atrocidades que foram impostas aos judeus e demais opositores do regime nazista para que tenhamos exemplos como este, mas que este ato seja uma luz na escuridão um pequeno farol indicando o caminho do real desenvolvimento da raça humana na busca pela Paz.

Deixe uma resposta