rudyard-kipling

SE…

Se és capaz de manter a tua calma quando /
Todo o mundo ao teu redor já a perdeu e te culpa; /
De crer em ti quando estão todos duvidando, /
E para esses no entanto achar uma desculpa;/
Se és capaz de esperar sem te desesperares,/
Ou, enganado, não mentir ao mentiroso,/
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,/
E não parecer bom demais, nem pretensioso;/

Se és capaz de pensar — sem que a isso só te atires,/
De sonhar — sem fazer dos sonhos teus senhores./
Se encontrando a desgraça e o triunfo conseguires/
Tratar da mesma forma a esses dois impostores;/
Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas/
Em armadilhas as verdades que disseste,/
E as coisas, por que deste a vida, estraçalhadas,/
E refazê-las com o bem pouco que te reste;/

Se és capaz de arriscar numa única parada/
Tudo quanto ganhaste em toda a tua vida,/
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,/
Resignado, tornar ao ponto de partida;/
De forçar coração, nervos, músculos, tudo/
A dar seja o que for que neles ainda existe,/
E a persistir assim quando, exaustos, contudo,/
Resta a vontade em ti que ainda ordena: “Persiste!”;/

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes/
E, entre reis, não perder a naturalidade,/
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,/
Se a todos podes ser de alguma utilidade,/
E se és capaz de dar, segundo por segundo,/
Ao minuto fatal todo o valor e brilho,/
Tua é a terra com tudo o que existe no mundo/
E o que mais — tu serás um homem, ó meu filho!

(Rudyard Kipling)

2 comentários em “SE…

  1. SE eu falasse a língua dos homens e
    SE eu falasse a língua dos anjos…

    “Que motivos constituirão suficiente incentivo para que o homem renuncie o mal e pratique o bem, lutando contra os costumes que imperam no meio social? Todo esforço de rearmamento moral quedará frustrado sem a convicção íntima de que a ordem moral promana de uma autoridade superior.”

    Se eu pudesse transformar as palavras em atitudes, o mundo seria melhor e as pessoas mais verdadeiras.

    Se?

  2. Conselhos de um velho apaixonado: uma crônica de Carlos Drummond de Andrade

    Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.

    Se os olhares se cruzarem e, neste momento, houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.

    Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.

    Se o 1º e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Algo do céu te mandou um presente divino : O AMOR.

    Se um dia tiverem que pedir perdão um ao outro por algum motivo e, em troca, receber um abraço, um sorriso, um afago nos cabelos e os gestos valerem mais que mil palavras, entregue-se: vocês foram feitos um pro outro.

    Se por algum motivo você estiver triste, se a vida te deu uma rasteira e a outra pessoa sofrer o seu sofrimento, chorar as suas lágrimas e enxugá-las com ternura, que coisa maravilhosa: você poderá contar com ela em qualquer momento de sua vida.

    Se você conseguir, em pensamento, sentir o cheiro da pessoa como se ela estivesse ali do seu lado…

    Se você achar a pessoa maravilhosamente linda, mesmo ela estando de pijamas velhos, chinelos de dedo e cabelos emaranhados…

    Se você não consegue trabalhar direito o dia todo, ansioso pelo encontro que está marcado para a noite…

    Se você não consegue imaginar, de maneira nenhuma, um futuro sem a pessoa ao seu lado…

    Se você tiver a certeza que vai ver a outra envelhecendo e, mesmo assim, tiver a convicção que vai continuar sendo louco por ela…

    Se você preferir fechar os olhos, antes de ver a outra partindo: é o amor que chegou na sua ida.

    Muitas pessoas apaixonam-se muitas vezes na vida, mas poucas amam ou encontram um amor verdadeiro.

    Às vezes encontram e, por não prestarem atenção nesses sinais, deixam o amor passar, sem deixá-lo acontecer verdadeiramente. É o livre-arbítrio.
    Por isso, preste atenção nos sinais.

    Não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: o AMOR !!!

    Ame muito…..muitíssimo…

    Carlos Drummond de Andrade

    Do livro “Amar se aprende Amando”

Deixe uma resposta